Política

Com 1,5 MILHÃO do Governo do Estado, é iniciado o recape da estrada de Pulinópolis

Teve início na última quarta-feira (02), o recape da rodovia que liga a cidade de Mandaguaçu ao distrito de Pulinópolis. A obra que era aguardada há mais de um ano, conta com investimento de R$ 1.499.989,82 da Secretaria de Infraestrutura do Governo do Estado do Paraná e R$ 74,992,00 da Prefeitura de Mandaguaçu. A empresa que venceu a licitação é a EXTRACON Mineração e Obras Ltda.

De acordo com a Secretaria de Infraestrutura do Paraná, a extensão da obra é de  9.900 metros.

Orar e fazer política

Quando Jesus chamou Herodes de raposa, quando silenciou diante dele, quando enfrentou Pilatos e o seu poder de procurador, quando teve pena do povo com fome e fez alguma coisa por ele, quando enfrentou os vendilhões do templo, quando contou parábolas que questionavam os religiosos do seu tempo, quando defendeu os pobres, quando questionou duramente os ricos, estava fazendo política. Opinou sobre os governantes, respeitou ou enfrentou, mostrou o papel de um grupo religioso, pensou no momento e nas dores do povo e ensinou os seus seguidores a servirem os outros.

O mesmo Jesus que ensinou a orar ensinou a servir e deixou claro que não veio para ser servido, mas para servir. Não quis dinheiro, nem fama, nem poder, mas quis ver a justiça acontecer já no seu tempo. Uma leitura atenta dos evangelhos mostra Jesus não fechado nem sectário e querendo melhorias para o seu povo. Não veio ao mundo apenas para orar e ensinar a orar. Não foi morto porque orava, mas porque enfrentou os donos do poder, porque exigiu justiça e propôs uma outra visão do ser humano e da religião do seu tempo.

Não foi um líder político, mas não foi também apenas um líder religioso. Foi irmão, foi Filho, foi libertador e amigo do povo. Mostrou Deus como Pai, mas mostrou o ser humano como irmão com direitos, especialmente os mais indefesos a que ele chamava de pequeninos.

Soa, pois estranho quando algum cristão afirme ser contra os religiosos se meterem com política, Não só podem como devem. A historia do cristianismo e de todas as religiões do mundo está marcada pela política, bem ou mal exercida. E vai ser sempre assim. Os religiosos sempre se meterão na política, inclusive os que desligam a televisão na hora da propaganda, ou preferem ir fazer um sanduíche ou fritar pipoca durante a fala do presidente ou de um candidato. A decisão de não querer nada com política já é uma decisão política. Omitir-se e deixar que qualquer um se eleja e qualquer grupo assuma o poder é uma escolha política. Se não é possível viver sem tal escolha então aprendamos a escolher e escolhamos direito!

Padre Zezinho – SCJ

Vereadores questionam gasto de quase R$ 8 mil com palestra para funcionários da Prefeitura de Mandaguaçu

banner2Na sessão da Câmara de Vereadores de Mandaguaçu, na última segunda-feira (12), o vereador e presidente da Câmara, Gustavo Henrique Saes  (PMN) apresentou a indicação nº 093/14, solicitando disponibilizar cursos de capacitação para os motoristas do transporte de alunos da rede municipal de ensino.

Os vereadores manifestaram o apoio à indicação e levantaram o debate sobre o custo de palestras realizadas pela administração municipal. Segundo o vereador Beto Dentista (PMN), a Prefeitura de Mandaguaçu pagou R$ 7.500,00 (Sete mil e quinhentos Reais), por uma palestra para apenas seis (06) secretários. O assunto também foi abordado nas falas dos vereadores Gustavo Saes (PMN) e Rosane Sanches (PDT).

Professores de Mandaguaçu aderem à greve estadual de ensino

Foto: João Pedro Souza

Foto: João Pedro Souza

Os professores e funcionários das escolas estaduais de Mandaguaçu aderiram a greve da rede estadual de ensino do Paraná. Na manhã de hoje (24), eles foram as ruas cobrar melhorias nas estruturas das escolas e  melhores salários.

A categoria exige a implantação da hora-atividade de 33% da carga horária, mudanças no modelo de atendimento à saúde e fim do desconto do vale transporte para profissionais afastados em licença médica. Os professores também pedem reajuste salarial de 10%, implantação do piso nacional e reajustes no piso regional, além de novos concursos públicos e agilidade no PSS (Processo Seletivo Simplificado).

De acordo com o sindicato, vários destes itens vinham sendo negociados com o governo do Estado desde o ano passado, porém o poder público teria interrompido as conversas.  Mais de 71 mil professores, quase 23 mil funcionários e 2.100 escolas estaduais. E desde ontem, quando foi deflagrada a greve dos professores, quase tudo parado no ensino paranaense. Segundo a APP Sindicato, expectativa era que hoje 90% dos professores aderissem à greve (ontem, 70% paralisaram as atividades). Por conta da greve, segundo o sindicato, 22% das escolas estaduais estão fechadas nesta quinta-feira (24) e 53% tem atendimento parcial, números que divergem do apresentado pelo Governo do Estado.

Foto: João Pedro Souza

Foto: João Pedro Souza

No final da tarde desta quinta-feira (24), o Governo do Paraná divulgou uma nota mostrando números que divergem dos apresentados pelo sindicato dos professores. Segundo o Estado, apenas 15,92% das 2.149 escolas estaduais paralisaram totalmente as atividades no 2º dia de greve, sendo que cerca de 24% dos colégios funcionaram normalmente, enquanto 60,1% das unidades da rede estadual tiveram atendimento parcial.

Na nota, o governo destacou que os números mostram que a adesão total está caindo e citou também ter recebido informações sobre professores que queriam trabalhar e foram impedidos de entrar nos colégios por manifestantes. Os casos serão apurados pelas ouvidorias dos Núcleos Regionais de Educação.

Ex-subchefe da Casa Civil do Estado busca convênio para o São Lourenço

10295801_698046396922530_7930345562274351931_n (1)Ontem (23), Guto Silva, ex-subchefe da Casa Civil do Governo do Estado do Paraná divulgou nas redes sociais que está  intermediando junto ao governo do Estado e a Secretaria Estadual de Saúde um convênio que deve garantir nova verba para o Hospital e Maternidade São Lourenço de Mandaguaçu.

Segundo Guto Silva, “O processo já está na Secretaria de Saúde e nos próximos dias um parecer deve ser emitido a respeito.” O ex-subchefe diz ainda que reforçou ao governador Beto Richa a importância do Hospital para a região e pediu atenção especial ao caso. Guto encerra afirmando que “O convênio deverá ser firmado entre estado e prefeitura, para que o Hospital se mantenha aberto e atendendo a comunidade regional.”

Ciclista sofre acidente em galeria destampada em Mandaguaçu

1896924_664750680253135_1508417011_n

Na noite de ontem (11), um ciclista sofreu um acidente no jardim Amanda em Mandaguaçu. Por volta das 19h, Alexsandro Almeida (32), caiu após passar de bicicleta por uma galeria sem tampa. O fato ocorreu na marginal da PR-552.
Segundo Almeida, o acidente só não foi pior, pois ele estava utilizando capacete. Saí voando! Parecia um foguete! Só não estourei minha cabeça porque estava de capacete.” O ciclista sofreu ferimentos leves no joelho e cotovelo direito, e diz que vai procurar seus direitos. “Gastei R$ 220 na suspensão da bicicleta no sábado, e na primeira volta acontece isto.”  Nas fotos postadas no facebook,  Alexsandro comenta que vai apurar a responsabilidade de tamanha falta de respeito com os contribuintes”.

 

Mandaguaçu: Empresário e moradores reclamam do acesso ao parque industrial

Construída em 2010, a via de acesso ao Parque Industrial Paulo Saes e ao Jardim Europa em Mandaguaçu está em estado de abandono. Após a reclamação de moradores, na tarde de hoje (10), fui até o local para fotografar a situação.
A via que tem extensão de 530 metros, passa por debaixo  do viaduto na BR-376 em Mandaguaçu. Além da falta do asfalto, moradores reclamam da não sinalização do local. “A noite é terrível passar por ali. Não é iluminado, não tem placas, não tem asfalto. Com chuva fica pior ainda! Vieram arrumar aí, mas não resolveu nada.”, desabafa José Clemente, morador do jardim Europa.

A via que dá acesso ao Parque Industrial Paulo Saes, é rota de caminhões de empresas e distribuidoras. Um empresário que pede para não ser identificado, relatou a situação precária do local. “Desde quando fizeram esse acesso, ficou da mesma forma. Isso não tem explicação! Falaram que iriam passar asfalto, mas só tem pedra! Sem falar que tem parte que está desbarrancando.”

A abertura da via em 2010, teve como objetivo eliminar o cruzamento na BR-376, onde aconteciam vários acidentes.

População reclama de falta de iluminação próximo à rodoviária de Mandaguaçu

Após a matéria publicada em pauloramires.com, inúmeras reclamações foram recebidas relatando a falta de iluminação na cidade de Mandaguaçu.

Rua Tibiriça, ao lado da Rodoviária. O local não possui nenhuma iluminação.

Rua Tibiriça, ao lado da Rodoviária. O local não possui nenhuma iluminação. Foto: Paulo Ramires

O morador Cléber Gomes, reclamou da falta de iluminação na rua lateral a rodoviária do município. “A rua Tibiriçá – entre a rodoviária e o Matec (Clube) – é uma escuridão total.”
Em entrevista, Regiane Peres (29), disse que está impossível desembarcar na rodoviária no período da noite. “Eu estou parando no ponto da rua Sete de Setembro e desço a pé, mesmo sendo mais longe. Não tenho coragem de descer na rodoviária sozinha. As ruas dali estão escuras.”

Outros pontos da cidade também foram denunciados por internautas. Os moradores reclamam que existem lâmpadas queimadas nas ruas Santos Dumont, sete de setembro, avenida Ney Braga, avenida Munhoz da Rocha, rua Paraná, rua Brasil entre outras.

Um morador que preferiu não se identificar reclamou da falta de pontos de iluminação na Vila Guadiana, e que muitos postes estão com as lâmpadas queimadas. “Aqui está terrível! A noite não podemos sair de casa!”

Rua Santos Dumont conta com vários pontos com lâmpadas queimadas.

Rua Santos Dumont conta com vários pontos com lâmpadas queimadas. Foto: Paulo Ramires

Procurada, a assessoria da prefeitura de Mandaguaçu disse que é do município “a responsabilidade de manutenção da iluminação rebaixada.” Ainda segundo a assessoria, foi realizado um levantamento e a cidade conta com aproximadamente 400 lâmpadas queimadas, mas que já estão sendo substituídas.

A assessoria informou que “está em fase de orçamento a compra de um caminhão exclusivo para o atendimento da iluminação pública de Mandaguaçu. Enquanto isso, o Departamento de Obras continua realizando as manutenções dentro das condições necessárias.”

Falta de iluminação pública gera medo em moradores de Mandaguaçu

Rua João Barata no Hiro Vieira - Foto: Paulo Ramires

Rua João Barata no Hiro Vieira – Foto: Paulo Ramires

Ruas completamente escuras e outras com pouca iluminação, é uma realidade de muitas vias da cidade de Mandaguaçu. A falta de iluminação tem amedrontado moradores que se queixam da não substituição das lâmpadas queimadas nos postes.

Segundo uma moradora que pede para não ser identificada, o descaso é grande. “Já reclamei na Copel e na Prefeitura. Um joga para o outro o problema! Enquanto isso, eu pago a taxa de iluminação todo mês!”.

A resolução 414 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), emitida em 2010, determinou que, desde o início de fevereiro de 2014, os cuidados com manutenção e expansão da rede devem estar sob a responsabilidade dos municípios e não mais de concessionárias e distribuidoras de energia.

A moradora do conjunto Hiro Vieira, mora na rua João Barata, rua paralela à BR 376. Segundo ela, dois postes estão sem iluminação há mais de 15 dias. “Eu morro de medo de sair de casa à noite. Aqui na beira da rodovia se um bandido quiser, assalta a gente! Aqui passam crianças e muita gente passa aqui depois que desce da circular.”

COPEL

Em seu site, a Copel, informa que em algumas localidades, o serviço de substituição de lâmpadas e demais componentes da iluminação das ruas é executado pela Copel. Em outras, pela própria Prefeitura.
Na cidade de Mandaguaçu, segundo a Copel, a responsabilidade pela iluminação pública é da Prefeitura Municipal.

A Copel ainda informa que a contribuição para o Custeio do Serviço de Iluminação Pública é definida através de lei municipal e tem como finalidade cobrir os gastos com o consumo de energia elétrica, a manutenção e a ampliação do serviço. A companhia lembra, que a maioria das prefeituras mantém contrato com a Copel para arrecadar a contribuição nas contas de luz dos consumidores.

PREFEITURA

Procurada, a assessoria da Prefeitura de Mandaguaçu informou que vai reunir as informações solicitadas pela reportagem, e que amanhã (07), se pronunciará sobre o assunto.

SUA RUA NÃO TEM ILUMINAÇÃO OU POSSUI POSTES COM LÂMPADAS QUEIMADAS?
ENVIE O NOME DA SUA RUA NOS COMENTÁRIOS.

Câmara de vereadores: Dr. Gargantini apresenta motivos para o fechamento do hospital