Artigo

Orar e fazer política

Quando Jesus chamou Herodes de raposa, quando silenciou diante dele, quando enfrentou Pilatos e o seu poder de procurador, quando teve pena do povo com fome e fez alguma coisa por ele, quando enfrentou os vendilhões do templo, quando contou parábolas que questionavam os religiosos do seu tempo, quando defendeu os pobres, quando questionou duramente os ricos, estava fazendo política. Opinou sobre os governantes, respeitou ou enfrentou, mostrou o papel de um grupo religioso, pensou no momento e nas dores do povo e ensinou os seus seguidores a servirem os outros.

O mesmo Jesus que ensinou a orar ensinou a servir e deixou claro que não veio para ser servido, mas para servir. Não quis dinheiro, nem fama, nem poder, mas quis ver a justiça acontecer já no seu tempo. Uma leitura atenta dos evangelhos mostra Jesus não fechado nem sectário e querendo melhorias para o seu povo. Não veio ao mundo apenas para orar e ensinar a orar. Não foi morto porque orava, mas porque enfrentou os donos do poder, porque exigiu justiça e propôs uma outra visão do ser humano e da religião do seu tempo.

Não foi um líder político, mas não foi também apenas um líder religioso. Foi irmão, foi Filho, foi libertador e amigo do povo. Mostrou Deus como Pai, mas mostrou o ser humano como irmão com direitos, especialmente os mais indefesos a que ele chamava de pequeninos.

Soa, pois estranho quando algum cristão afirme ser contra os religiosos se meterem com política, Não só podem como devem. A historia do cristianismo e de todas as religiões do mundo está marcada pela política, bem ou mal exercida. E vai ser sempre assim. Os religiosos sempre se meterão na política, inclusive os que desligam a televisão na hora da propaganda, ou preferem ir fazer um sanduíche ou fritar pipoca durante a fala do presidente ou de um candidato. A decisão de não querer nada com política já é uma decisão política. Omitir-se e deixar que qualquer um se eleja e qualquer grupo assuma o poder é uma escolha política. Se não é possível viver sem tal escolha então aprendamos a escolher e escolhamos direito!

Padre Zezinho – SCJ

Corrupção: Câncer da administração pública

Passada a onda de protestos pelo Brasil, resolvi parar e escrever um pouco sobre a corrupção existente em todos os níveis da administração pública. A corrupção é um fenômeno social que ocorre de várias formas. A mais conhecida corrupção é o desvio do dinheiro público. Entretanto, o que aparece na mídia e o que chega até o público, não é o que foi de fato roubado dos cofres públicos, mas apenas uma fração do que foi denunciado, flagrado ou investigado.

O desvio clássico ocorre com as fraudes em licitações e superfaturamento de valores. Sem falar, que ao invés de procurar cumprir suas promessas eleitorais em benefício da população, os candidatos eleitos e reeleitos usam as promessas para empregar amigos e parentes e aqueles que os ajudaram na campanha.

Segundo informações da Controladoria Geral da União (CGU), uma das estratégias utilizadas para desvios de recursos públicos se dá por meio de notas fiscais fictícias ou “frias”. São aquelas notas em que os serviços declarados não são prestados ou os produtos discriminados não são entregues. Através de um acordo pré-estabelecido com o prefeito e/ou seus assessores, as empresas emitem notas fiscais e a prefeitura segue todos os trâmites administrativos de uma compra normal. Depois o resultado da corrupção é dividido entre o fornecedor e os membros da administração que estão juntos ao esquema de corrupção.

Nas licitações, o processo de superfaturamento se dá com cotações de preços dos produtos em valores muito superiores aos de mercado. Nos dois casos, a diferença entre o preço real e o valor superfaturado é dividida entre os fraudadores.  Apesar das fiscalizações e investigações, muitas fraudes e desvios passam despercebidos.

Corrupção eleitoral, desvio de recursos, falta de investimento em saúde e educação. Impostos pagos e o serviço não é prestado com qualidade. Entre as brechas das administrações se vão os nossos impostos e outros embolsam o resultado de transações obscuras.

Paulo Ramires

A Globo escondeu Chico

A Globo vem matando o humor de Chico Anysio desde 2002. A morte anunciada no dia de hoje, coloca um ponto final na vida de um dos maiores nomes do humor brasileiro.

Desde 1957, Chico fez com personagens o sorriso aparecer no rosto do nosso povo. A Globo com a extinção dos programas de Chico em 2002 entristeceu o brasileiro e colocou na geladeira um líder de audiência.

Ele esperou por um cargo de supervisor do humor da Globo. Não aconteceu. Chico Anysio foi proibido pela direção da emissora de ler, no ar, uma carta de despedida para seus telespectadores, no último dia da “Escolinha do Professor Raimundo”.

Chico sabia fazer o humor popular, coisa que hoje não se vê nos “humorísticos” da platinada. Ele tinha um humor que agradava as classes C, D e E. Mas Chico não parou.  A televisão o encostou e ele seguiu fazendo seus shows pelo Brasil.

Agora Chico se encontra com outros gênios do humor: Costinha, Mussum, Zacarias, Dercy, Golias e Nair Belo.
Um time que juntos fazem uma zorra!

Mulheres: Dona de casa, mãe e chefe da nação

"Cada batida do meu coração, é um milagre de Deus" - Cecilia Ramires

Todos os anos, no dia 08 de março comemoramos o dia da mulher. Uma data especial para homenagear aquelas que foram criadas por Deus, para estar ao lado do homem.

Nesse espaço, quero desejar os meus parabéns aquelas mulheres que têm sido fiéis companheiras, amáveis esposas e boas mães. Sei que em sua maioria além cuidar da casa, as mulheres de hoje trabalham fora para ganhar o pão de cada dia.

A luta incansável das mulheres para serem reconhecidas, já mostrou muitos frutos. Um deles é o de termos hoje no mais alto posto da nossa nação, Dilma Rousseff como nossa presidenta.

São para as mulheres guerreiras, que dedico esse dia especial.

Conheço uma mulher que lutou muito durante sua vida. Batalhou contra dois cânceres, lutou pela educação, pela vida através da Pastoral da Criança e mesmo diante das dificuldades não perdeu a fé. Foi através das mãos carinhosas e das palavras dessa mulher que eu fui criado.
Foi feita a vontade de Deus, e ela não está mais em nosso meio. Mas é no exemplo de vida que ela traçou, que guio os meus passos.

Sei que muitas “Cecilias” existem no mundo. Mulheres que encaram o medo de frente!

São para essas mulheres que digo hoje: Parabéns pelo seu dia!

Campanha da Fraternidade 2012

Todos os anos a Igreja Católica no Brasil, através da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), lança para o tempo da quaresma a Campanha da Fraternidade, ajudando a comunidade a refletir um tema social de relevância.

Este ano a escolha foi sobre:

TEMA: FRATERNIDADE E SAÚDE PÚBLICA

LEMA: QUE A SAÚDE SE DIFUNDA SOBRE A TERRA (Eclo 38, 8 )

E ela tem como objetivo geral:

Refletir sobre a relação da saúde no Brasil em vista de uma vida saudável, suscitando o espírito fraterno e comunitário das pessoas na atenção aos enfermos e mobilizar por melhoria no sistema público de saúde.

E os objetivos específicos:

1-      Disseminar o conceito de bem viver e sensibilizar para a prática de hábitos de vida sustentável;

2-      Sensibilizar as pessoas para o serviço aos enfermos, o suprimento de suas necessidades e a integração na comunidade;

3-      Alertar para a importância da organização da Pastoral da saúde nas comunidades;

4-      Difundir dados sobre a realidade da saúde no Brasil e seus desafios, como sua estreita relação com os aspectos sócio-culturais de nossa sociedade;

5-      Despertar nas comunidades a discussão sobre a realidade da saúde pública visando à defesa do SUS e a reivindicação do seu justo financiamento;

6-      Qualificar a comunidade para acompanhar as ações da gestão pública e exigir a aplicação dos recursos públicos com transparência, especialmente na saúde.

Sempre na defesa da vida e na certeza de como comunidade somos mais, podemos construir um mundo melhor.

Pe. César Hipólito
Pároco de Mandaguaçu 

NOSSOS IDOSOS – Por Padre César Hipólito

O livro do Eclesiástico capítulo 44 e versículo 11 nos diz: Eles permanecem com seus descendentes; seus próprios netos são a sua melhor herança. Nossos avôs são em nossas casas aqueles que representam a solidez de nossa família. Quando olhamos para eles percebemos o quanto eles trabalharam, passaram por dificuldades, sofrimentos, o quanto eles suaram o rosto para que a nossa família pudesse ter hoje um pouco mais de conforto e de formação. Eles abdicaram de terem uma melhor formação para que os seus filhos pudessem ter, e hoje são os seus filhos nossos pais, que também abdicam de muitas coisas para que nós possamos ter uma vida e uma formação melhor.

Hoje nossos avôs são nossa melhor sabedoria, ou como dizem, é nossa biblioteca em casa, pois os longos anos de vida e de experiência acumulada lhes proporcionaram uma sabedoria de vida. Dificilmente, se conversarmos com nossos avôs, eles não terão uma palavra amiga, de conselho, de fortaleza. Uma palavra que será sempre uma palavra certa, na hora certa e do jeito certo.

E como é triste, desumano e tão pouco cristão quando vemos avós que são maltratados, descuidados, abandonados, desrespeitados nos seus direitos e na sua oportunidade de viverem com seus familiares. Como nos diz o texto bíblico os netos são a maior herança de um idoso. Eles não se preocupam mais com os bens materiais. Para eles o importante é a sua descendência que eles irão deixar neste mundo. E como é difícil quando a sua descendência não lhe dá valor, amor, respeito, dignidade, carinho. Se estiverem doentes e nos dão trabalho é porque na vida eles gastaram sua saúde para trabalhar para que nós pudéssemos ter mais vida. Agora é a hora de nós cuidarmos da saúde daqueles que deram a sua saúde por nós. Agora é a hora de cuidarmos da vida daqueles que deram a vida, para que nós pudéssemos ter uma vida melhor.

Vamos amar essas vidas maravilhosas que temos conosco enquanto eles estão conosco. Vamos dizer a eles o quanto somos grato por tudo aquilo que eles fizeram por nós, sem eles nem mesmo nós teríamos nascidos. Nossos avôs: são felizes os que ainda os tem nesse mundo ao seu lado; são felizes aqueles que os tem no outro mundo, no céu, onde com certeza eles rezam por nós.

Padre César Hipólito
Pároco de Mandaguaçu